top of page
banner avimig interno.jpg

NOTÍCIAS

15 de maio de 2014: um ano de IAAP no Brasil

Nesta quarta-feira, 15 de maio de 2024, faz exatamente um ano que uma parte do País foi surpreendida com a informação de que um dos mais temidos vírus de alta patogenicidade da Influenza Aviária, o H5N1, teve sua presença detectada em território brasileiro.


“Uma parte do País”, explica-se, porque o setor mais diretamente envolvido com o problema – a avicultura brasileira – já contava com sua chegada. E o aguardava com relativa tranquilidade, porque havia se preparado para enfrenta-lo. Dedicou, para isso, não um, dois ou cinco anos, mas mais de duas décadas.


Na realidade, a preocupação da comunidade técnico-científica dedicada à avicultura com a chegada do vírus ao Brasil se tornou pública pela primeira vez há, exatamente, 24 anos, ou seja, em maio de 2001. [...]


Como se vê, não houve pânico nem caos na atividade. Porque, desde aquele instante, observou-se integral conjuminação de esforços dos principais agentes atuantes no setor: o segmento produtivo, a academia e os órgãos oficiais. Tanto que, naquele mesmo mês, era aberta – pela Secretaria de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura – consulta pública  propondo novas normas “para a vigilância, controle e erradicação da Doença de Newcastle e Influenza Aviária”.


A concretização dessas normas viria pouco tempo depois e tem sido atualizada constantemente no decorrer do tempo. Criou todo um processo de vigilância e prevenção aparentemente inédito no mundo, pois, ainda que o vírus esteja entre nós, a avicultura comercial permanece preservada.


Desde o anúncio das primeiras detecções em 15 de maio de 2023 (foram três casos em aves silvestres, todos no Espírito Santo ) somam, até agora, 164 os registros da doença no País – a maioria deles (cerca de 72%) na Região Sudeste e quase 25% na Região Sul. As ocorrências restantes envolvem, especificamente, a Bahia e o Mato Grosso do Sul.


Nesse total, 156 casos (95%) envolveram aves silvestres, a maioria absoluta tipicamente marinhas. Em outros cinco casos (cerca de 3%) os animais afetados foram mamíferos aquáticos. E em apenas três ocorrências os registros se deram em criações de subsistência.


A ressaltar que, no total de casos até agora registrados, o último deles – o de número 164 – foi confirmado pelo Serviço Veterinário Oficial (Departamento de Saúde Animal da Secretaria de Defesa Agropecuária do MAPA) no dia 29 de abril passado. Ou seja: em maio corrente é a primeira vez, desde as primeiras detecções, que os registros mensais permanecem zerados.


É uma tendência natural, vinda desde dezembro e que, não por coincidência, começou a se manifestar com o início do Verão, estendendo-se pelo Outono. Mas o Inverno está chegando novamente. E, como demonstra o gráfico abaixo, é nesse período que se concentra a maioria dos casos.


Portanto, é redobrar os trabalhos de vigilância e prevenção. Para que – como ocorreu há exatamente um ano – não haja pânico nem caos na atividade e no País.



Fonte: Avisite

3 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page