banner avimig interno.jpg

NOTÍCIAS

Pesquisa da ABPA aponta consumo de proteína animal em 98,5% dos lares

Ovo, carne de frango e carne suína lideram ranking, conforme levantamento

Uma pesquisa encomendada pela Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) ao Centro de Assessoria e Pesquisa de Mercado (CEAP) mostra que 98,5% dos lares consomem algum tipo de proteína animal. O ovo é o principal destaque, com 96% de presença, seguido pela carne de frango, com 94%, carne suína, com 80%, carne bovina, com 79% e peixe, com 65%. A pesquisa foi realizada entre novembro do ano passado e fevereiro deste ano, com 2.500 entrevistas em 113 cidades pelo país. Foram mais de 3 mil horas de entrevistas realizadas por 120 profissionais, focando membros das residências com poder de decisão de compra no domicílio, de ambos os sexos, das classes A,B,C,D e E, com idades entre 18 e 65 anos. De acordo com a pesquisa, 47% dos entrevistados informaram consumir ovos todos os dias. No caso da carne de frango, 54% consomem até três vezes por semana. Com a mesma frequência, 34% informaram consumir carne suína. Questionados sobre a proteína animal mais consumida na residência, o ovo foi o principal mencionado por 35% dos entrevistados, seguido pela carne de frango, com 34% e a carne suína, por 4%. Realizada durante o período de pandemia, a pesquisa apontou que o consumo das carnes ocorre especialmente em casa. Sobre frequência de compra, a pesquisa indicou que a compra de ovos ocorre semanalmente para 24% dos entrevistados, e quinzenalmente para 21%. No caso de frango, a compra é quinzenal para 22% e duas a três vezes por semana para 21%. No caso da carne suína, 24% preferem realizar a compra com frequência mensal. E estas compras ocorrem, predominantemente, em supermercados e hipermercados, seja para carne de frango, carne suína e ovos. Em segundo lugar, o açougue é o principal ponto de compra para aves e suínos. Para os ovos, o mercado de bairro é a preferência. No caso da carne de frango, 69% dos entrevistados preferem adquirir o produto em cortes, seguido por frango inteiro, com 22%; 9% declararam comprar ambos os produtos. Os resfriados lideram as compras, com 55%, contra 40% de congelados, e 5% que informam adquirir os produtos nas duas formas. Em suínos, a preferência por produtos resfriados predomina, conforme 43% dos entrevistados. Congelados são a preferência de 26%, e 31% adquirem em outras apresentações. Linguiça, bacon, bisteca, costela, salsicha e pernil são os produtos suínos mais comprados. Para ovos, 92% informaram comprar ovos convencionais. Uma parte deles, 36%, também informaram adquirir ovos caipira. Ovos brancos são os mais adquiridos, por 57% dos entrevistados, enquanto 15% adquirem o vermelho e 28% informaram comprar ambos. Em relação às características dos produtos, 82% consideram a carne de frango uma proteína saudável e 68% veem a proteína como mais prática de se preparar que as carnes vermelhas. Para o ovo, também 82% percebem o produto como uma excelente fonte de proteína, e 74% ressaltam como um dos alimentos mais completos e de alto valor nutricional. Para suínos, 73% preferem carnes não temperadas. Alguns mitos ainda perduram. Entre os entrevistados, 59% ainda acreditam no famoso “mito dos hormônios” – houve, entretanto, retração neste índice, que era de 72% em 2012. No caso de suínos, 54% discordam que o produto tem baixo teor de gordura – o que já foi desmentido por diversas pesquisas. Em ovos, há a percepção de que o ovo vermelho é mais nutritivo que o branco. Sobre os efeitos da pandemia, em média 22% dos entrevistados informaram ter aumentado a compra de ovos, carne de frango e carne suína. O ovo foi o principal destaque – dentre os que aumentaram as compras, 37% dos entrevistados aumentaram as compras no período pandêmico. Em frango, este índice chegou a 32% e de carne suína, 5%. Entre as principais razões apontadas estão fatores como preço e aumento do número das refeições nos lares. Outro efeito foi a compra on-line. As compras de carne de frango, de ovos e de suínos mais que dobraram com a pandemia – subiram, em média, de 2% para 5% dos entrevistados realizando suas compras pela internet. “O levantamento apontou insights importantes, como a necessidade de manter a inovação na apresentação dos produtos e indicativos de que o e-commerce ganhou força. Ainda não é possível dizer se são efeitos permanentes ou demandas de um período pandêmico, mas indicam a forte relação do consumo de produtos com o contexto em que o consumidor está inserido”, avalia Isis Sardella, gerente de marketing e promoção comercial da ABPA, que coordenou a pesquisa. Focando em anseios de consumo, o principal destaque levantado pelos entrevistados está na embalagem – 39% apresentaram alguma sugestão. Questões como facilidade de higienização, praticidade e segurança no transporte e armazenamento, e embalagens biodegradáveis e recicláveis estão entre as mais apontadas. “A pesquisa aponta importantes desafios de imagem, como é o caso dos mitos de consumo. Mas, ao mesmo tempo, indicou grandes conquistas para o nosso setor, como o reconhecimento por 53% deles de que o Brasil é o maior exportador de aves do planeta. São avanços importantes e indicativos de que há ainda muito a avançar’, analisa Ricardo Santin, presidente da ABPA. Fonte: ABPA



16 visualizações0 comentário